Crítica Boca de Ouro por Maria Lúcia Candeias
19 de junho de 2015
Crítica “A Serpente” por Afonso Gentil
30 de setembro de 2015

Crítica “A Serpente” por Vinicio Angelici da Revista Stravaganza

A Serpente

No centenário de nascimento de Nelson Rodrigues (1912-1980), a encenação do grupo Gattu vem engrossar o cordão de montagens de textos do maior dramaturgo brasileiro, que também tem sido homenageado por meio de exposições em torno de suas obras. Trata-se da quarta peça do escritor levada ao palco pela inspirada companhia, até o ano passado sediada em uma universidade paulistana. Com uma década de estrada, a trupe tem se dedicado ultimamente à pesquisa sobre o universo rodriguiano, buscando ainda estabelecer diálogo criativo com outras linguagens, como a dança, o circo e as artes plásticas – a dedicada turma encenou deleViúva, porém honesta (2007), Dorotéia (2008) e Boca de Ouro  (2010). Escrita em 1978, esta última peça do autor é um primor de síntese e as cenas se desenvolvem em velocidade impressionante. Apesar de ter sido classificada pelo crítico Sábato Magaldi como tragédia carioca, ela apresenta características míticas e psicológicas e, na versão do Gattu, flerta também com o realismo fantástico. Não há tramas paralelas e o enredo envolve as irmãs Guida e Lígia, que se casaram no mesmo dia e dividem o mesmo apartamento com seus respectivos maridos, Paulo e Décio. Aos poucos, a relação de intimidade e cumplicidade entre elas vai deslizando para o ciúme, raiva, sentimento de abandono e loucura. Uma das qualidades da obra, aliás, é justamente deixar visível a sua estrutura de construção, o que resulta numa dramaturgia seca, direta e contagiante.
Neste espetáculo, com a mesma pegada dos trabalhos anteriores, a cenografia simples resume-se a uma cama, um parapeito, um gira-gira de parque de diversões e duas escadas, manipulados freneticamente pelos atores, criando os ambientes necessários ao desenvolvimento da história. A iluminação, que recorre a vários tons de cores, aliada à bela trilha sonora, mix de composições de Erik Satie, Gabriel Fauré e Claude Debussy, também contribuem para criar a atmosfera de tensão sexual e demarcar a passagem do tempo. Como a ação é conduzida por poucos personagens, é fundamental que o elenco seja afinado para instaurar a dinâmica necessária e todos cumprem à risca a missão. A direção de Eloísa Vitz articula com habilidade os elementos e imprime agilidade e ritmo corretos à encenação, evitando pesar a mão nos ingredientes trágicos. Ela também está em cena, em performance potente, na pele da dadivosa Guida que, ciente do drama de Lígia, oferece o marido à irmã para que passem uma noite juntos, o que vai romper o pacto de normalidade e desembocar na tragédia final. Cabe à Daniela Rocha Rosa, no papel da beneficiária dessa generosidade, a difícil tarefa de prospectar as nuances emocionais da mulher frustrada e infeliz que, virgem mesmo após o casamento, se transfigura depois de experimentar o ato sexual com o inesperado amante. A atriz se desvencilha satisfatoriamente da incumbência. Elam Lima (Paulo) consegue desempenhar com determinação o papel do marido de Guida, arremessado num carrossel de desejo e sedução. Diogo Pasquim injeta veracidade ao aparentemente tímido e falsamente impotente Décio, o homem com dificuldades para transar com a mulher, mas que se revela um fauno ao se envolver com a doméstica da casa, vivida por Laura Vidotto. Em que pese não ter o físico adequado para o personagem, a atriz despeja sensualidade ao incorporar esta figura que personifica o objeto sexual. Montagem inventiva, pulsante e elaborada, só na aparência convencional, que mereceria atrair um público maior do que aquele que tem acorrido ao teatro.
(Vinicio Angelici – viniange@ig.com.br)                                                                           
(Foto Lenise Pinheiro)
 
Avaliação: Bom
 
A Serpente
Texto: Nelson Rodrigues
Direção: Eloísa Vitz
Elenco: Eloísa Vitz, Daniela Rocha, Elam Lima, Diogo Pasquim e Laura Vidotto
Estreou: 05/11/2001
Casa e Teatro Grupo Gattu (Rua dos Ingleses, 182, Bela Vista. Fone: 3791-2023). Segunda e sábado, 21h; domingo, 20h. Ingresso: R$ 40. Até 29 de outubro.
Conecte-se com a gente:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *