Crítica “A Serpente” por Afonso Gentil
setembro 30, 2015
Crítica “Frisante” por Afonso Gentil
outubro 2, 2015

Crítica “Rapunzel” por Dib Carneiro Neto

Rapunzel da Bela Vista, uma bela surpresa

Grupo Gattu volta a encenar o clássico num casarão com torre e sacada, para a princesa jogar suas tranças feitas de fita colorida
por Dib Carneiro Neto
   Divulgação
 No fim do ano passado, tive uma grata surpresa. Fui conhecer a Casa e Teatro Grupo Gattu, na Bela Vista, que estava apresentando o espetáculo infantil Rapunzel. Eu não tinha a menor referência sobre o grupo e confesso que fui esperando algo mediano, mais uma dessas adaptações corretas, mas pouco criativas, de contos de fadas tradicionais. Errei: foi realmente uma surpresa bastante agradável.
O ótimo espetáculo, com direção ágil de Eloísa Vitz, está voltando ao cartaz este ano, na mesma sede do grupo, a partir do dia 19 de janeiro. Trata-se de um casarão na Rua dos Ingleses, 182, com direito até à torre na fachada, para Rapunzel jogar suas tranças. É o que ocorre logo no prólogo do espetáculo, com todo o elenco cantando, tocando (bumbo, flauta, violão, gaita e prato) e dançando na frente da casa, antes de chamar o público para dentro da sala de espetáculos – uma ampla garagem improvisada como teatro.
A história de Rapunzel é revisitada de forma eficiente, clara, divertida, sem muitas invencionices, mas com boa dose de frescor e inventividade. O fundamental no texto de Tito Sianini são as boas sacadas de humor, sem cair em facilidades ou exageros de mau gosto.
Também merece menção o quanto os personagens são bem construídos e de perfis bem delineados. Rafaela Ferri interpreta uma Rapunzel meio roliça, fugindo do estereótipo das frágeis princesas. Adalberto (Flávio Bregantin), o ajudante, é trapalhão e surdo: entende tudo errado, o que rende boas situações. Felipe Barros está muito engraçado como um pombo-correio nordestino (na verdade, um pombo-torpedo, em alusão à tecnologia atual). O príncipe Lino (Breno Beghini) é divertidamente vaidoso como o príncipe do desenho animado Enrolados, da Disney.
A Bruxa Mázinha (Miriam Jardim, com um bom vozeirão de vilã) diverte a plateia por não gostar de ser chamada de “macaco peludo”. Mariana Fidelis completa o elenco, como a Mãe de Rapunzel.
De quebra, a trilha sonora da peça é bastante competente, com paródias animadíssimas baseadas em canções populares infantis conhecidas, como Alecrim Dourado e A Barata Diz Que Tem. Diversão garantida neste início de ano. Vida longa para o Grupo Gattu.
Serviço:
Casa e Teatro Grupo Gattu. Rua dos Ingleses, 182, Bela Vista, tel. 11 3791-2023.
Sábados e domingos às 16h. Ingressos a R$ 40 e R$ 20 (meia).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *